Olorum


 

 

LENDAS_____________________________________________________________________

 

 

COMO O CÉU SE SEPAROU DA TERRA

 

Segundo os mitos africanos, o céu (orun) e a Terra (aiye) não eram separados. A existência ocorria num só nível, e os seres humanos e os Orixás podiam transitar tanto pelo céu como pela Terra, sem problema algum.

Depois de uma transgressão é que o céu se separou da Terra, e os seres humanos não podem mais visitar o céu e voltar de lá vivos.

Conta a lenda que um ser humano tocou o céu com as mãos sujas, provocando a ira de Olodumare, o deus supremo, que soprou com força, dividindo os espaços com seu hálito (ofurufú), que se transformou em atmosfera, formando o sanmó - o céu conhecido por nós.

 

 

Como nasceu Ori


ORI em iorubá significa CABEÇA. O Ori está acima dos Orixás, pois nenhum Orixá, nem mesmo Olodumare atenderá um pedido do ser humano, que não tenha sido autorizado por seu Ori.

Conta a lenda que os Orixás e Ancestrais se rebelaram, querendo ter os poderes e a sabedoria do Deus supremo. Como mensageiro nomearam Exu, que levou as reivindicações a Olodumare. Este lhes enviou um poderoso obi, e, orientado por Ifá, determinou que após deixá-lo a noite inteira numa encruzilhada, os Orixás e Ancestrais deveriam tentar parti-lo para mostrar seu poder.

Ori era apenas uma pequena bola, que não possuía sequer um corpo para se apoiar, e ninguém o respeitava. Para conseguir partir o obi, procurou Ifá, que o aconselhou a fazer uma oferenda para os Odus, para conseguir a força de todos eles. Além disso deveria espojar-se na poeira do chão por algumas horas.

No dia seguinte todos já estavam preparados para tentar partir o obi, quando chegou Ori, espojando-se na poeira. Um a um os Orixás foram fracassando na tentativa, pois o obi era muito forte e resistente.
Ori se apresentou e, como última opção, deixaram-no tentar. Com seu peso caiu sobre o obi, que se partiu em seis gomos. Todos ficaram muito felizes.

Olodumare, ao receber a notícia, imediatamente enviou uma linda almofada, onde Ori se instalou. Dessa forma Ori ganhou um corpo para sustentá-lo. Orixás e Ancestrais exclamaram: ORI APERE!

A partir desse momento, Ori nasceu. Passou a ser dotado de Iwa, a existência, dada por Olodumare, como prêmio por ter sido o único a conseguir partir o fruto-ventre.

 

 

A supremacia de Ori

Ori é o Deus portador da individualidade de cada ser humano. Representa o mais íntimo de cada um, o inconsciente, o próprio sopro de vida na sua individualização para cada pessoa. Ori mora dentro das cabeças humanas, tornando cada um aquilo que é. Como ao morrer, a cabeça de uma pessoa não é separada para o enterro, Ori é conhecido como aquele que pode fazer a grande viagem sem retorno, pois os outros Orixás, mesmo quando morrem os seus filhos, são libertados da cabeça (Ori) e retornam ao Orún (céu, ou mundo exterior).

Uma Lenda sobre Orí que explica a sua supremacia sobre os restantes Orixás:

"Um certo dia, Olodumarê resolveu decidir qual dos Orixás seria o dono do destino do ser humano, sendo assim ele convocou todos os Orixás para ouvir as suas fraquezas e julgar qual deles seria o mais indicado. Quando todos estavam reunidos, Olodumarê começou por Ogum:

Olodumarê:- Ogum se por um acaso você estiver com um dos seus filhos e passar por uma guerra, o que faria?

Ogum:- Ah pai, eu colocaria o meu filho num lugar seguro, e lutaria contra os injustos.
Olodumarê:- se estivesse com o seu filho e estivesse com muita gula no meio de trovões...

Xangô:- Ah pai, eu controlaria os trovões, colocaria meu filho num local abrigado e saciaria a gula.

E assim se sucedeu a fraqueza de cada Orixá, até que chegou a vez de Ori e esse prontamente respondeu:

Ori:- Infelizmente pai, eu terei que ser uma parte do meu filho, pois com ele estarei dividido desde o nascimento até Ikú o encontrar ou ele encontrar Ikú, pois no dia em que eu resolver largá-lo, a sua cabeça será decepada e estaria eu com a missão de Ikú".
 

ORI ODE é a parte física da cabeça, essa que olhamos e vemos e a que chamamos rosto.

ORI INU é a parte espiritual onde se encontram os pensamentos, é para este que cortamos num igba ori, ou damos obi, ou fazemos oferendas antes mesmo dos Orixás.

 

 

 

CURIOSIDADES_______________________________________________________________